CdeC 2020

Clubes de Ciência Brasil – Edição 2020

À medida que o mundo enfrenta a pandemia do novo coronavírus, divulgar ciência e promover o compartilhamento de conhecimento se torna cada vez mais importante. 

O projeto Clubes de Ciência Brasil será realizado remotamente, com atividades síncronas e assíncronas, no período de 10 a 12 de outubro de 2020. 

Em breve, estudantes de todo o país poderão se inscrever na seleção e concorrer para participar desta edição que virá cheia de novidades, com uma programação emocionante e envolvente! 

Teremos a participação de convidados e convidadas de renome nacional e internacional, com transmissões ao vivo pelo nosso canal no YouTube (Clubes de Ciência Brasil) no primeiro dia do CdeC 2020: 10 de outubro. Qualquer pessoa que tenha interesse em ciência poderá acompanhar as transmissões.

Nesta edição, teremos 10 clubes temáticos das mais diversas áreas do conhecimento por salas virtuais, plataformas digitais e muito mais! As atividades dos clubes são exclusivas para os estudantes do Ensino Médio e dois primeiros anos da graduação selecionados.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro dos assuntos abordados nos clubes e datas importantes: Facebook (Clubes de Ciência Brasil), Instagram (@clubesdecienciabrasil) e Twitter (@CdeCBrasil).

Conheçam os clubes e os instrutores da edição virtual de 2020: 

ARTE E HISTÓRIA: INVENÇÃO E INTERPRETAÇÃO DO PASSADO

Nesse clube serão exploradas as relações que se estabelecem entre História e Arte. A História é a ciência que estuda as transformações humanas ao longo do tempo. Deste modo, buscaremos investigar os objetos artísticos desta perspectiva, explorarmos seu potencial explicativo como forma de produção do conhecimento enredando-os com outras fontes que o historicizem e desvelem sua relação com a sociedade a qual pertencem.

Instrutores: 

Kleber Amancio (UFRB) 

Possui graduação, bacharelado e licenciatura, em História pela Universidade Estadual de Campinas (2006), mestrado em História Social pela Universidade de São Paulo (2010) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (2016). Foi pesquisador visitante na Harvard University (2014-2015). A principal área de pesquisa é História do Brasil nos séculos XIX e XX, com publicações em temas tais como história de Campinas, do Rio de Janeiro, da escravidão, da abolição, do pós-abolição, da literatura e da arte.

Maruaia Cruz (E.E. Pedro de Alcântara Nogueira)

Maruaia é historiadora e graduada em Ciências Socioambientais pela PUC-MG e UFMG, respectivamente. Além de ter experiência nos aspectos histórico-sociais associados ao racismo no Brasil, Maruaia é professora da Rede Estadual de Minas Gerais.

ASTROBIOLOGIA – A BUSCA DE VIDA NO UNIVERSO

Quem nunca olhou para um céu estrelado e pensou: “de onde viemos?” ou “será que estamos sozinhos?”. Buscando responder essas e outras perguntas surgiu a Astrobiologia, uma ciência desafiadora por natureza e que une pesquisadores das mais diversas áreas com um objetivo comum: entender o que é a vida. Durante este clube, os alunos farão uma expedição intergaláctica na procura por exoplanetas habitáveis e viverão um pouco da rotina de um astrobiólogo discutindo sobre a definição de vida e avaliando, no final, se estamos mesmo sozinhos na imensidão do Universo.

Instrutores: 

Luan Ghezzi (UFRJ/ Harvard Alumni) 

Astrônomo pela UFRJ, Doutor em Astrofísica pelo Observatório Nacional e fez Pós-Doutorado na Universidade de Harvard. Atualmente, é professor e pesquisador no Observatório do Valongo da UFRJ, onde busca entender como as propriedades físicas das estrelas influenciam a formação de sistemas planetários.

Amanda Bendia (Instituto Oceanógrafo da USP)

Bióloga, mestre em Biofísica e Doutora em Microbiologia. Atualmente, é Pós-Doutoranda no Instituto Oceanográfico da USP e está desenvolvendo projetos de pesquisa relacionados ao estudo de micro-organismos extremófilos em ambientes criogênicos, marinhos e vulcânicos da Antártica. Participou de quatro expedições científicas para a Antártica, com apoio do Programa Antártico Brasileiro. Seus trabalhos estão focados na compreensão dos limites da vida, especialmente em relação à temperatura, e suas implicações para o estudo da evolução microbiana e para a busca de vida fora da Terra (Astrobiologia).

BIOENGINEERING: VAMOS RECONSTRUIR TECIDOS HUMANOS!

A bioengenharia é a ciência que conecta o universo da engenharia e da biologia, em busca de soluções capazes de transformar a medicina com órgãos artificiais, cirurgia robótica, próteses miolétricas, instrumentação bioédica e implantes que mimetizam as funções fisiológicas. Neste clube serão exploradas tecnologias que monitoram, avaliam e mimetizam a fisiologia humana. Serão abordados temas como células tronco que se especializam em diferentes tecidos e regeneram funções; processamento de sinais cerebrais para diagnóstico e tratamento de doenças neurodegenerativas; manufatura e impressão 3D de próteses, órteses e tecidos vivos; biofabricação de tecidos humanos para transplante. O corpo humano é um enigma que a ciência ainda está tentando compreender. Há muitas perguntas não respondidas sobre a função e conexão de todos os órgãos e tecidos. Como modular células para que produzam biomoléculas de interesse? Existe um biomaterial ideal para que o corpo não o rejeite? Há diferenças nos sinais cerebrais de um paciente inconsciente? É possível prever um ataque cardíaco? Por que ainda não temos órgãos artificiais disponíveis a toda população? Você vai entender como aplicar as ferramentas da engenharia para solucionar os desafios da biologia e superar a fronteira do conhecimento que está diante de nós.

Instrutores: 

João Henrique Lopes (ITA) 

Graduado em química pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Se especializou em Biomateriais durante o mestrado em Físico-Química (2010) e doutorado em Ciências (2015) pela Universidade Estadual de Campinas. Foi pesquisador na Faculdade de Odontologia da Universidade McGill (2013-2014) e realizou um estágio de pós-doutorado no Laboratory of Engineering and Products Chemistry (LEQUIP) da Universidade Estadual de Campinas (2015-2018). Atualmente é professor Adjunto do Departamento de Química da Divisão de Ciências Fundamentais (IFEQ) do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Recentemente, vem se esforçando para entender e controlar os fenômenos que ocorrem na interface entre materiais sintéticos e moléculas biológicas, especialmente focado na biomineralização.

Mônica Matsumoto (ITA)

Graduada em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e mestre em Engenharia Eletrônica e Computação pelo mesmo Instituto. Concluiu o doutorado em ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), programa de Cardiologia. Fez estágio de pós-doutoramento na Universidade da Pensilvânia (UPenn), no Departamento de Radiologia. Desenvolveu algoritmos de processamento de imagens e sinais, simulações e reconhecimento de padrões para imagens médicas, além de um sistema óptico e aplicativo para solução em teste de visão. Atualmente, é professora de Engenharia Biomédica na Divisão de Engenharia Eletrônica do ITA.

CIÊNCIA E INOVAÇÃO: DA BANCADA PARA O MERCADO

Já parou para pensar no caminho que uma ideia percorre até ela se materializar em um produto ou serviço? No clube “Ciência e Inovação: da bancada para o mercado”, você aprenderá sobre empreendedorismo científico de uma forma única, explorando métodos, dificuldades e estratégias para que o conhecimento científico possa alcançar o mercado e beneficiar nossa sociedade. Guilherme Rosso, formado pela UFRN e pela USP, e responsável pelo Escritório de Inovação do Complexo Pequeno Príncipe, ministrará o clube e abordará assuntos fundamentais como ecossistemas de inovação, transferência de tecnologia, modelo de negócios e o temido vale da morte da inovação! E aí, quer aprender mais sobre como fazer um Pitch? Quer conhecer cases de cientistas empreendedores e startups de base científica? Que tal se aventurar pelos conhecimentos sobre inovação? Não perca essa oportunidade!

Instrutor: 

Guilherme Rosso (Complexo Pequeno Príncipe) 

Formou-se no Mestrado Interdisciplinar em Modelagem de Sistemas Complexos pela USP e no Bacharelado Interdisciplinar em Ciências e Tecnologia pela UFRN, com um período de graduação sanduíche no Departamento de Física da Clark University, Estados Unidos, como bolsista da primeira turma do programa Ciência sem Fronteiras. Foi Diretor de Projetos na Empresa Júnior da Escola de Ciências e Tecnologia (EJECT), co-fundou a Rede CsF Alumni e coordenou o primeiro Índice de Universidades Empreendedoras lançado no Brasil. Atualmente é presidente da ONG Emerge e membro da comunidade Global Shapers, iniciativa do Fórum Econômico Mundial (WEF) para lideranças com menos de 30 anos. Também é pesquisador do Núcleo de Política e Gestão Tecnológica da Universidade de São Paulo (PGT/USP) e colunista da revista MIT Sloan Management Review Brasil em “Ciência Empreendedora e Inovação”. 

COMBATENDO EPIDEMIAS

A atual pandemia de Covid-19 modificou a rotina das pessoas, mas você sabia que quarentena, isolamento vertical e horizontal, resistência a medidas preventivas e curvas epidêmicas não são assuntos novos? Notou que vivemos uma corrida pela produção de uma vacina desde que o novo coronavírus foi identificado? Mas você sabia que as vacinas surgiram após um médico observar a ordenha de vacas? Neste clube, você aprofundará seus conhecimentos sobre esses assuntos e epidemias recentes, como Zika e Ebola, e será capaz de responder questões como, por exemplo, por que certas doenças são consideradas epidêmicas? Como a ciência combate epidemias? Como o engajamento das comunidades influencia no enfrentamento de emergências sanitárias? Como a saúde humana, animal e ambiental se relacionam? 

Instrutores: 

David Soeiro (ICB – UFMG/ Harvard Alumni) 

David tomou a iniciativa de trazer a primeira edição do CdeC Brasil para a UFMG, onde atualmente é professor e pesquisador em saúde pública com foco em doenças tropicais negligenciadas e zoonóticas. Doutor com experiência profissional em diferentes instituições nacionais e internacionais como a Fiocruz (RJ), Escola de Saúde Pública de Harvard (Lemann Fellow) e na Organização Mundial da Saúde (Genebra). Realizou projetos em colaboração com o Ministério de Saúde do Brasil e com a Organização Panamericana de Saúde.

Fernanda Garrides (ENSP/ Fiocruz)

Fernanda é sanitarista e epidemiologista pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e realiza o doutorado em Epidemiologia na Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz. Trabalha com modelagem estatística, matemática e computacional na análise de efeito dos fatores socioestruturais no processo saúde-doença. Epidemiologista social, a partir do acompanhamento de uma grande coorte de adultos brasileiros, investiga desigualdades em saúde em uma perspectiva histórica, política e social.

C3PO: O PENSAMENTO COMPUTACIONAL

A ciência da computação não para de mudar o mundo. Apesar dos desafios, é uma ciência na qual boa parte da nossa vida moderna se baseia, encontrando novas soluções e concretizando ideias para que em um futuro não tão distante possamos desfrutar de tamanhas tecnologias e seus resultados. Nina da Hora, cientista da computação pela PUC-RJ, criadora do projeto Ogunhê, ministrará nosso clube “C3PO: o pensamento computacional!” e nos ensinará sobre assuntos incríveis acerca dos saberes computacionais, desde algoritmos até robótica! Ciência moderna, inclusiva e fundamental numa galáxia não tão distante assim de você. Venha participar! 

Instrutora:

Nina da Hora (PUC-Rio)

Cientista da Computação pela PUC Rio com formação adicional no Programa Apple Developer Academy. Criadora do Computação da Hora Iniciativa para ensinar pensamento computacional com linguagem acessível e relacionando com as disciplinas do ensino básico. Pesquisadora de Tecnologias Criativas e Novas metodologias de ensino. Presidente do Ramo Estudantil IEEE na PUCRio.

DESCOBRINDO NOVOS FÁRMACOS COM AMBIENTE VIRTUAL

Você já parou para pensar em como são criados os fármacos? qual o longo processo para descobrir novos medicamentos e principalmente, como eles são testados? No Clube “Descobrindo novos fármacos com ambiente virtual” você terá a oportunidade de explorar essa incrível área que faz uso de técnicas computacionais para pesquisa de novos medicamentos. Ministrado pela Alessandra Souza (Faculdade de Farmácia/UFRJ)e pela Bárbara Abrahim-Vieira (Faculdade de Farmácia/UFRJ) os alunos discutirão e estarão imersos em questões promissoras, como a diminuição de animais para testes de medicamentos e cosméticos usando o ambiente virtual e a capacidade de prever, computacionalmente, a interação entre moléculas a fim de entendermos como um medicamento pode atuar no nosso organismo. 

Instrutoras: 

Alessandra Souza (Faculdade de Farmácia – UFRJ/ Instituto Pasteur) 

Alessandra é farmacêutica, com mestrado e doutorado (com período no Institut Pasteur de Paris) em Química pela UFF.  Atualmente é professora e pesquisadora no Laboratório de Modelagem Molecular & QSAR da Faculdade de Farmácia da UFRJ, onde trabalha na área de planejamento de novos fármacos utilizando ambientes virtuais. Em seus projetos utiliza métodos computacionais para compreender como os fármacos agem, estudar o caminho percorrido e o impacto que causam no corpo humano.

Bárbara Abrahim-Vieira (Faculdade de Farmácia – UFRJ/ Universidade de Coimbra)

Bárbara é farmacêutica, mestre em Ciências Aplicadas a Produtos para a Saúde pela UFF e doutora em Ciências Farmacêuticas pela UFRJ e pela Universidade de Coimbra- Portugal. Trabalha no laboratório ModMolQSAR com métodos computacionais para estudar e compreender o mecanismo de ação do fármaco, como ele atua no organismo e o que podemos fazer para contornar problemas de toxicidade em humanos.  Leciona, pesquisa e orienta alunos com projetos nas áreas de química medicinal e ambientes virtuais da Faculdade de Farmácia da UFRJ.

ENTENDENDO A VIDA ATRAVÉS DA GENÔMICA: SARS-COV-2

Estudar o genoma é como estudar a anatomia molecular de uma espécie. Você sabia que conhecer os genes de uma espécie pode trazer informações valiosas sobre um ser vivo, os processos normais que nele ocorrem e até mesmo os genes que podem desencadear doenças? Sabia também que o primeiro genoma a ser sequenciado foi o da bactéria Haemophilus influenzae, em 1995? No clube de Genômica você entenderá como tecnologias possibilitam ler a sequência do genoma de uma pessoa de forma rápida e como os fundamentos bioquímicos e computacionais atuam no enfrentamento da atual pandemia que estamos vivendo. Neste clube os alunos irão fazer análises com o genoma do SARS-CoV2 causador da atual pandemia de Covid-19. Sequenciar o genoma do vírus dá importantes pistas para entendermos sua origem, evolução e desenvolver possíveis vacinas e curas. Como a genômica interfere na nossa vida, dos nossos familiares e da sociedade? Ficou curioso? Então vem para o clube de genômica. 

Instrutor: 

Luiz Eduardo Del-Bem (ICB – UFMG/ Harvard Alumni)

Possui Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Campinas (2005), mestrado (2008) e doutorado em Genética e Biologia Molecular pela Universidade Estadual de Campinas (2013) e pós-doutorado na área de genômica, expressão gênica e evolução pela Harvard University – TH Chan School of Public Health (2016). Atualmente é Professor Adjunto de Genômica Evolutiva no Departamento de Botânica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Faz parte do corpo editorial das revistas Journal of Evolutionary Biology (Wiley) e Frontiers in Plant Science (Frontiers Media). Trabalha nas áreas de filogenômica, evolução de genomas, evolução molecular de plantas, genética molecular e biologia molecular de plantas.

DETETIVES DO PASSADO: AS LIÇÕES DA PALEONTOLOGIA

Você já pensou em viajar para o passado? Será que seria preciso uma máquina do tempo? No clube “Detetives do Passado: as lições da Paleontologia” você fará uma viagem emocionante de milhões de anos para conhecer figuras emblemáticas do passado, como os dinossauros, e o melhor, sem sair de casa! Neste clube, os alunos conhecerão e discutirão a importância da Paleontologia para as nossas vidas e como podemos aprender com o passado para tornar nosso futuro melhor. Além disso, terão a oportunidade de viver a rotina de um paleontólogo, aprendendo técnicas capazes de recuperar, com o uso de fósseis, informações biológicas muito importantes perdidas no tempo.

Instrutores: 

Aline Ghilardi (UFRN/ Canal “Colecionadores de Ossos”)

Criadora dos “Colecionadores de Ossos”, a maior iniciativa de divulgação de Paleontologia do Brasil, Aline é Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela UFSCar, Mestre em Ecologia e Recursos Naturais pela mesma universidade e Doutora em Geologia pela UFRJ. Atualmente, é pesquisadora associada do Laboratório de Paleoecologia e Paleoicnologia da UFSCar, onde desenvolve o seu projeto de pós-doutorado sobre o registro de pegadas fósseis de dinossauros do Brasil. Aline é especialista em paleobiologia e evolução de dinossauros, já foi professora da UFPE e tem estudado Paleontologia há mais de 12 anos, com diversos trabalhos publicados em revistas nacionais e internacionais.

Tito Aureliano (UFRN/ Canal “Colecionadores de Ossos”)

Tito é co-diretor da iniciativa “Colecionadores de Ossos”, atualmente o maior canal de divulgação de Paleontologia do Brasil. Ele é geólogo, formado pela UFPE e atualmente desenvolve seu projeto de Mestrado na Unicamp, onde estuda células fossilizadas de dinossauros. Tito também é pesquisador associado do Laboratório de Paleoecologia e Paleoicnologia da UFSCar, onde tem desenvolvido trabalhos sobre biomecânica de vertebrados fósseis e diversos aspectos da biologia dos dinossauros. Tito trabalha com Paleontologia há mais de 10 anos e tem diversos trabalhos publicados em revistas nacionais e internacionais.

NEUROCIÊNCIA E CÉLULAS TRONCO: COMO CRIAR UM CÉREBRO?

Você já parou para pensar como a partir de uma célula o corpo humano é formado e como nosso cérebro é gerado? O que torna este órgão único entre todos os organismos do planeta? Neste clube, vocês entenderão como o cérebro é formado, desde a fecundação até a vida adulta, aprendendo sobre as células que o compõem e como desvios nos padrões de desenvolvimento do cérebro humano podem levar a sérios problemas. Eles também serão ensinados sobre a técnica revolucionária que permitiu que células-tronco fossem produzidas a partir de células da pele de uma pessoa e como isso é usado para que possamos entender o cérebro humano. Lembrem-se que criar um cérebro não é algo simples, já que são 9 meses de gravidez, e que esse é apenas o começo!

Instrutores: 

Bruna Paulsen (Harvard Medical School)

Possui Graduação em Ciências Biológicas – Modalidade Médica (2008) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestrado (2011) e Doutorado (2015) em Ciências Morfológicas pela mesma universidade. Tem experiência na área de Biologia Celular, com ênfase no estudo da biologia de células-tronco embrionárias, células-tronco de pluripotência induzida (iPS) e diferenciação neural. Sua tese de doutorado consistiu na geração de um modelo baseado em células iPS para estudo e busca de alvos terapêuticos para a esquizofrenia. Durante o mestrado foi bolsista Faperj Nota 10 e durante o doutorado foi bolsista do programa Ciências Sem Fronteiras na Harvard Medical School/Boston Childrens Hospital. Atua também em Divulgação Científica, possui um livro publicado para o grande público sobre o tema células-tronco.

Thiago Arzua (Medical College of Wisconsin) 

Thiago Arzua agora faz doutorado em neurociência no Medical College of Wisconsin. Antes disso, ele concluiu seu bacharelado em bioquímica, com especialização em francês, na University of South Florida. Sua pesquisa de doutorado se concentra em modelos neurais derivados de células-tronco humanas, como organoides cerebrais.

Pablo Cardozo (UFMG)

Doutorando em Bioquímica e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre em Bioquímica e Imunologia pelo Departamento de Bioquímica e Imunologia do ICB, UFMG (2018), graduou-se em Ciências Biológicas pela UFMG em 2015, com período sanduíche na University of Toronto como parte do seu Intercâmbio Acadêmico do Programa Ciências sem Fronteiras (CsF) entre 2013 e 2014. Atualmente, desenvolve suas atividades de pesquisa no Laboratório de Neurobioquímica do ICB/UFMG, onde trabalha com os aspectos neurobioquímicos inerentes à plasticidade sináptica em esquizofrenia. Em 2020, Pablo foi premiado com a Fulbright Doctoral Dissertation Research Award que permitirá que parte do seu doutorado seja feito na Yale University.

CONVIDADOS

Nesta edição teremos uma seleção de convidados e convidadas muito especiais, que atuam em diferentes áreas da ciência em centros de excelência no Brasil e no exterior:

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOBERANIA NACIONAL

Dr. Miguel Nicolelis Médico e neurocientista, é atualmente professor na Duke University, fundador do Centro de Neuroengenharia na Duke University. Fundador e Diretor Científico do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra. Dr. Nicolelis também é fundador do Projeto Walk Again e do Projeto Mandacaru relacionado com a atual pandemia da COVID-19. Primeiro brasileiro a ter um artigo publicado na capa da revista Science e um dos 20 maiores cientistas em sua área pela Scientific American no início dos anos 2000.

CIÊNCIA, COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E COVID-19

Dra. Marcia Castro – Graduada em Estatística pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, mestra em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais e PhD em Demografia pela Princeton University, atualmente é professora na Harvard University, onde é também chefe do departamento de “Global Health and Population” na Escola de Saúde Pública na Harvard University.

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

Dra. Natália Pasternak – Microbiologista, escritora e comunicadora de ciência.  Presidente do Instituto Questão de Ciência.

NEGACIONISMO DA CIÊNCIA

Dr. Ricardo Galvão – Físico. Professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo. Ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) escolhido um dos 10 cientistas de 2019 pela revista Nature.

MULHERES NA CIÊNCIA

Dra. Sônia Guimarães – Física. Professora do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Primeira mulher negra brasileira doutora em Física e primeira mulher negra brasileira a lecionar no ITA.

CIÊNCIA E DIREITO

Me. Pedro Felipe de Oliveira Santos – Bacharel em Direito. Doutorando em Direito pela Universidade de Oxford. Master of Laws pela Universidade de Harvard (Class of 2016). Ex-Defensor Público Federal. Juiz Federal do Tribunal Regional Federal da 1a Região, tendo sido o Juiz Federal mais jovem do país. Juiz Auxiliar no Supremo Tribunal Federal.

CIÊNCIA, COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E COVID-19

Me. Darlan Cândido – Graduado em Farmácia pela Universidade Federal do Ceará. Mestrado em Alergia e Imunopatologia na Faculdade de Medicina da USP. Atualmente cursando doutorado na Universidade de Oxford.

FILOSOFIA DA CIÊNCIA

Dra. Lucy Souza – Paleontóloga, youtuber e divulgadora científica (Make Science BR), apaixonada por filosofia da ciência e crocodilianos.

CIÊNCIA E CORRIDA ESPACIAL

Me. Lucas Fonseca – Engenheiro espacial. Graduado em Engenharia Mecatrônica pela Universidade de São Paulo (USP) e possui mestrado em Engenharia de Sistemas Espaciais.

CLUBES DE CIÊNCIA NA ESCOLA

Dra. Daniela Tomio – Bióloga. Doutora em Educação Científica e Tecnológica. Professora da Universidade Regional de Blumenau – FURB.

Para ter acesso ao Press Release do CdeC Brasil  2020, nos escreva em clubesdeciencia.br@gmail.com